Coracao-Ardente

Antonio Cuadri, diretor de Coração Ardente, afirma: “O cinema religioso deve estar na moda!”

O filme sobre as aparições do Sagrado Coração fará surgir
“dúvidas e questionamentos” entre ateus e agnósticos

 

Antonio Cuadri (que dirigiu Conta-me, Ao Sair da Classe, O + Mais, Operação Concha, Grande Hotel) é o diretor de ficção do filme Coração Ardente (da Goya Produções), que estreou em 21 de fevereiro nos cinemas espanhóis.

Não é a primeira vez que Cuadri mergulha na direção de um filme de temática religiosa. Ele montou um curta sobre a Rádio Maria e um documentário experimental sobre Tomás Moro. E, nesta ocasião, para além do seu bom trabalho, a sua sensibilidade quanto às questões religiosas (já que ele acredita em Deus) foi um dos motivos pelo qual o escolheu Andrés Garrigo, fundador e diretor da Goya Produções, para o dirigir este filme.

 

“É difícil vender cinema religioso”

 

“É difícil vender cinema religioso na Espanha. Deveria estar na moda. Por que não? Para ser cineasta não é obrigatório ser ateu. Cinema e atuação são uma profissão maravilhosa e os fiéis não devem ser excluídos desse campo”, diz Cuadri ironicamente ao portal espanhol El Confidencial Digital.

Certamente, seria algo muito estranho um filme religioso ser premiado no Prêmio Goya: “Hoje é impensável e é algo que temos que considerar. Em outros países, como México, Colômbia, Polônia ou mesmo Alemanha, o cinema espiritual está em alta”, diz o diretor de Coração Ardente.

Isso porque, numa cultura como a atual, afastada dos valores cristãos, o cinema religioso vende pouco. “A superficialidade dessa postura me incomoda muito. Qualquer trabalho deve ser respeitado e, acima de tudo, algo tão maravilhoso quanto contar histórias no cinema”, assegura Cuadri.

 

Segredos do Sagrado Coração

 

O filme conta a história de Lupe Valdés (Karyme Lozano, uma atriz mexicana convertida), uma famosa escritora que investiga as aparições do Sagrado Coração de Jesus em busca de inspiração para o seu próximo romance.

Guiada por uma especialista em mistérios (María Vallejo-Nágera, esta é a primeira vez que ela atua no cinema), Lupe descobrirá segredos que ultrapassam sua imaginação. Ela encontrará personagens incríveis, santos, assassinos, exorcistas, papas, presidentes, conspiradores… milagres e crimes. Por meio de sua pesquisa, Lupe também descobrirá os segredos do seu próprio coração, afligido por velhas feridas que precisam ser curadas.

A escritora María Vallejo-Nágera, que não é atriz, se coloca pela primeira vez diante das câmeras para interpretar uma perita em mistérios. “Ela se sentiu muito confortável no papel. Limitei-me a colocar em prática o décimo primeiro mandamento para os diretores: não incomodar e deixar fluir”, explica o diretor.

 

Influencie crentes e ateus

 

Antonio Cuadri explica ao Confidencial como, em sua opinião, este filme influenciará crentes e não crentes: “Os primeiros vão descobrir um novo mundo de desejos para se aprofundar na devoção ao Sagrado Coração. E, para um o ateu ou agnóstico, acho que o filme poderá suscitar, ao menos, dúvidas sobre a existência de Deus”.

Isso, principalmente, devido àquelas cenas que não poderão passar despercebidas a um descrente, como algumas sequências em que há milagres eucarísticos com informações detalhadas e argumentos científicos. Porque o filme está embasado em histórias verdadeiras.

As misteriosas aparições do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarita Maria de Alacoque fascinaram milhões de pessoas, mas nenhum filme investigou seus segredos. Agora nos é revelada a força irresistível que explica por que essa devoção ganha cada vez mais novos adeptos.

O versátil diretor, nascido em Andaluzia (Espanha), Antonio Cuadri é quem conduz a linha fictícia desse filme que mistura elementos de investigação documental com uma trama inspirada em acontecimentos reais.

Fonte: site oficial espanhol 
Tradução: Tulia Savela

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email